Mário de Andrade: Tentação Eu fechei os meus lábios para a vida E...

Mário de Andrade: Tentação Eu fechei os meus lábios para a vida E...

Tentação

Eu fechei os meus lábios para a vida
E a ninguém beijo mais, meus lábios são,
Cmo astros frios que, com a luz perdida,
Rolam de caos em caos na escuridão.

Não que a alma tenha já desiludida
Ou me faleçam os desejos, não!
O que outrem prejulgava uma descida,
É subir para mim, elevação!

Vejo o calvário por que anseio, vejo
O Madeiro sublime, "Glórias" ouço,
E subo! A terra geme... eu paro. (É um beijo.)

A moita bole... Eu tremo. (É um corpo.) Oh Cruz,
Como estás longe ainda! E eu sou tão moço!
E em derredor de mim tudo seduz!...

Veja também


Mário de Andrade: Não devemos servir de exemplo a...

Não devemos servir de exemplo a ninguém. Mas podemos servir de lição.

Mário de Andrade Nota: A lição do amigo: cartas de Mário de Andrade a Carlos Drummond de Andrade, anotadas pelo destinário" - Página 201, de Mário de Andrade, Carlos Drummond de Andrade , Livraria José Olympio Editora, 1982